Qual é a sua procrastinação?


Por anos, não consegui vencer a procrastinação. Sempre que adiei algumas decisões importantes para a minha vida pessoal, apertei o botão de soneca, pulei a academia, o inglês, as visitas aos amigos e a entes queridos, porque não estava com vontade e sempre tinha uma explicação para minha procrastinação contínua.

Dizia a mim mesma que estava cansada. Ou que isso poderia esperar até amanhã. Quem se importa se você adiar algo, certo?

Bem, devemos nos preocupar.

Porque somos os únicos responsáveis por nossa vida. Muitas vezes, olhamos para dicas de produtividade, aplicativos ou ferramentas como se tivessem as respostas mágicas para nossos problemas. Mas isso também significa que nos permitimos culpar coisas externas por nossa falta de produtividade e comprometimento.

Não, não sou eu, é o meu trabalho que é muito pesado. Eu não consigo fazer outras coisas."

O escritório está exigindo demais de mim.

As pessoas continuam ligando e me enviando e-mails.

"Eu nunca tenho tempo."

Vencer a procrastinação é uma batalha interna. Tenho muitos exemplos disso na minha vida pessoal. Eu mudei de cidade, vim morar na praia para ter mais qualidade de vida, e após um ano a minha vida ainda continuava a mesma.

Então eu sempre trabalhei pesado, para cuidar das minhas filhas, dos meus negócios e até mesmo para manter os amigos, mas nunca trabalhei para cuidar do meu corpo e da minha mente.

E se você quiser subir a escada corporativa, precisa formar alianças, ser estratégico, superar suas metas e ser ótimo no que faz.


E para evoluir na escada da vida pessoal?

Você sabe o que tem que fazer, mas não o faz. Em vez disso, você abre um site e começa a ler notícias inúteis. Ou você navega no feed do Instagram, facebook e na maioria das vezes nem gosta do que vê.

Essa luta para vencer a procrastinação na minha vida pessoal, e até certo ponto ainda é, a história da minha vida. Por exemplo, agora estou trabalhando a minha autoestima. Sim eu tinha a autoestima baixa, e fui diagnosticada com fibromialgia, ou seja, o meu corpo e a minha mente começaram a pagar um preço pelo descuido.

Steven Pressfield chama esse inimigo interno de Resistência em seu clássico, A Guerra da Arte. E isso é o que ele diz sobre isso:

"A resistência está sempre mentindo e sempre cheia de merda."

Eu estou vencendo a procrastinação fazendo isso hoje;

Eu exercito minha resistência mental todos os dias. Eu costumava negligenciar meu cérebro. Eu estava mentalmente fraca, pensava muito e não confiava em mim mesma. Não era porque eu não tinha habilidades. Era porque eu não confiava na minha capacidade de descobrir o que era melhor para mim. Eu não quero ser uma escrava dos meus pensamentos. Hoje eu determino o que penso.

Eu exercito meu corpo todos os dias. Quando não faço exercícios, fico inquieta, sem foco, energia e confiança. Ao exercitar meu cérebro e corpo todos os dias, estou sempre pronta para a guerra.

Tenho criado um conjunto de hábitos diários que ajudam a controlar minha vida. Eu estou começando a escrever, leio, defino prioridades diárias e resisto a não consumir informações inúteis. Também procuro interagir com meus amigos e família todos os dias. O contato humano é importante. Isso me mantém com os pés no chão. Não tenho criado grandes expectativas. E eu aproveito meus dias vivendo o hoje, pisando e sentindo a areia da praia, sentindo o vento que bate no meu rosto e me permitindo ficar mais tempo nos abraços das minhas filhas. 

Sempre tenho uma lista de tarefas pequenas (mas importantes) que devo concluir. Portanto, digo a mim mesma que hoje e o melhor dia da minha vida todos os dias.

E nos últimos meses, venho vivendo uma nova experiência na minha vida profissional.  Resolvi tirar do papel um projeto de colocar a minha experiência de vendas e regras de negócios dentro de uma tecnologia. E isso tem sido muito desafiador, pois eu não entendo nada de programação. Primeiro comprei um sistema pronto e com a implantação eu percebi que estava muito fora do que eu realmente queria. Então resolvi procurar uma empresa para desenvolver um sistema conforme eu queria, e depois de uma curta pesquisa, contratei uma empresa que me pediu 40 dias para me entregar a plataforma pronta, passaram-se  meses e não conseguiram me entregar e a minha frustração e culpa foi aumentando a cada dia.

Como não consegui encontrar nenhuma resposta imediata, minha mente saltou para o movimento 'E se' e 'eu deveria ter'. Mesmo sabendo o que estava fazendo, minha mente se recusava a parar de jogar coisas em mim que me faziam sentir pior. Para mim, essa é uma resposta muito típica, quase inata, a uma experiência desagradável. A maldição 'e se' da retrospectiva. A dose extra de culpa que colocamos em nós mesmos após um evento negativo. Não importa que, na maioria das vezes, esses eventos sejam acidentais, ocasionais e, no momento da ocorrência, muito provavelmente fora de nosso controle.

Enquanto eu estava lá, permitindo que minha mente andasse no carrossel de 'e se', um conhecimento repentino travou as engrenagens em meu carrossel. Pensamento após pensamento surgiu em minha mente e nenhum deles parecia meu. Aqui está o que veio à mente. . .

Esta foi uma lição de aceitação. Era hora de aprendizado e nada e ninguém poderia ter mudado isso. Chame isso de fluxo da vida, destino ou natureza. Ao contratar essa empresa, meramente adiei o meu destino e me dei uma embalagem diferente. O resultado sempre seria o mesmo. Era inevitável. Ser capaz de aceitar isso é aceitar uma verdade maior. A vida acontece e embora tenhamos uma escolha em tantas coisas, algumas coisas estão além do nosso controle consciente, e sempre estarão. Portanto, seja gentil consigo mesmo e perceba que às vezes não há absolutamente nada que você possa fazer para mudar um resultado. A aceitação é um passo importante para a cura. Você encontra paz na aceitação.

Quando o infortúnio se abate sobre nós, muitas vezes somos apanhados nos "e se" da situação. E se eu não tivesse saído hoje à noite? E se eu tivesse escolhido um caminho diferente? E se eu não estivesse atrasado? E se, e se, e se. . . . Uma pessoa pode enlouquecer se perguntando e se preocupando com o "E se". É um fato simples que todos os 'e se' no mundo não mudarão o resultado do que já aconteceu. Aceitação é a chave. A chave para a paz.

Ficar preso no ciclo 'e se' apenas prolonga nossa dor e sofrimento, bloqueia o processo natural de cura e, mais importante, nos impede de seguir em frente com nossa vida. Aceitação é a única maneira de nos livrarmos da areia movediça "e se", é a única maneira de seguir em frente. A aceitação reanima o fluxo da vida em nossa direção e torna a alegria possível novamente. Por meio da aceitação, afirmamos ao universo que estamos prontos para curar, estamos prontos para seguir em frente, estamos prontos para receber luz e positividade de volta em nossa vida.


Share:

0 comentários